Novas regras para o programa Baixa Renda da Cemat

Poliana Chaves 22 de fevereiro de 2011 1435 visualizações
Compartilhar    


 Alcance da tarifa Baixa Renda pode crescer 70% em MT. Mas quem já tinha o benefício precisa se recadastrar junto à Cemat com urgência

 

 

 

 

Já estão valendo as novas regras definidas pelo Governo Federal para o enquadramento de consumidores na Tarifa Social de Energia Elétrica, conhecida como baixa renda. Elas foram regulamentadas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em julho do ano passado.

 

 

 

Antes os critérios usados eram de consumo, agora com a nova Lei o critério passa a ser exclusivamente sobre a renda familiar. Como explica o Coordenador Regional da Cemat, Celso Hugueney. “Antigamente eram definidos clientes monofásicos e clientes com no máximo 220 kWh de média mensal de consumo e agora passa a ser pela renda per capta familiar, não podendo ser maior que meio salário mínimo”, explica.

 

 

A nova Lei prevê também a ampliação no público alvo. “A nova resolução da Aneel, amplia a população a ser atendida, ela leva em consideração os clientes: famílias quilombolas e os indígenas, que possuam cadastro único. Até 50 kWh de consumo estes clientes terão automaticamente a isenção de cem por cento. Então, além de ter desconto no Baixa Renda, de 0 a 50 kWh eles serão isentos completamente do pagamento”, orientou Celso.

 

 

Para fazer parte do Baixa Renda, o consumidor precisa estar inscrito no Cadastro Único (CadÚnico)  para programas Sociais do Governo Federal  e possuir renda familiar mensal per capita que não ultrapasse meio salário. “As famílias cadastradas no Baixa Renda que consumiam de 0 a 79 kWh, automaticamente clientes já eram recadastrados. Agora se eles não procurarem a Cemat o cadastro será cancelado e eles perderão o benefício”, alertou.

 

 

As datas para recadastramento variam conforme o valor de consumo de energia. Os clientes q consomem entre 81 e 220 kWh deverão se recadastrar até o dia 1º de março, já os que consomem até 80 kwh por mês e eram automaticamente incluídos na tarifa, possuem prazos diferentes. Para mais informações o cliente deve ligar para a Central de Atendimento ao Cliente: 0800 6464 196. A ligação é gratuita e o serviço está disponível 24 h

Luz em Conta

O programa Luz em Conta da Cemat visa atender famílias de baixa renda. Segundo o Coordenador Regional da Cemat, Celso Hugueney, o objetivo do programa é a redução do consumo de energia provocado pelo mau estado de eletrodomésticos, substituindo geladeiras velhas por novas e trocando 3 lâmpadas incandescentes por florescentes. “A gente entende que são dois grandes vilões de energia. E geladeira nova e lâmpadas com redução de até 80% de consumo, vão permitir que a fatura venha com um valor consideravelmente baixo, algumas até com mais de 40 ou 50% de redução, proporcionando um melhor orçamento familiar”, disse.

 

 

Em Nova Mutum o programa chegou através de uma parceria com a Prefeitura e Secretaria de Ação e Promoção Social. “As famílias são pré-selecionadas, primeiro a assistente social do município entrega pra gente uma relação de famílias baixa renda. Nós então fazemos um check list para aprovar esta relação. Pois este cliente precisa ser baixa renda também da Cemat, não pode estar inadimplente com a Cemat, o titular do benefício tem que ser o titular da fatura e a geladeira tem que ser velha. E só depois de todos estes requisitos aprovados, nós fazemos as substituições”

 

 

Além do programa Luz em Conta, a Cemat também realiza diversas campanhas, que objetivam principalmente a redução do consumo de energia e segurança na rede elétrica. “Nós fazemos diversas palestras junto a comunidade, escolas e entidade de classes, visando a economia, ou seja, o não desperdício da energia elétrica. São dicas simples e importantes, que contribuem principalmente para as famílias de baixa renda”.

 

 

O trabalho destas campanhas não ficam apenas nas regiões urbanas, com o slogan “Segurança no Campo é bom Saber” eles chegam até a zona rural. “A gente também orienta que evite contato com a rede de energia elétrica. Os maiores problemas são com colheitadeira, pulverizadores, que às vezes sem querer a pessoa entra em contato com a rede, e isto pode ser fatal”, concluiu

 

 

 

 

 

 

 

Imagens

Comentários

Veja também

Economia
Mais de 3,7 milhões de contribuintes entregaram declaração de Imposto de Renda
Quase três semanas após o início do prazo de entrega do  Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF), 3.784.588 declarações foram entregues pelos...
19 de março de 2015
Economia
Kátia Abreu diz que agronegócio "reage bem" a ajuste fiscal
A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Kátia Abreu, disse estar otimista com as perspectivas do agronegócio brasileiro. “Eu devo confessar que, apesar das...
19 de março de 2015
Economia
IBGE mostra que em 2014 cresceu abate de frangos e suínos
Os resultados divulgados hoje (19) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), sobre os números relativos ao abate de animais e aves no país no ano passado,...
19 de março de 2015
Economia
Energia elétrica deve subir 38,3% neste ano, estima Banco Central
O preço da energia elétrica deve subir 38,3% neste ano, segundo estimativa divulgada nesta quinta-feira (12) pelo Banco Central. O preço da energia elétrica deve...
12 de março de 2015
Economia
IBGE confirma expectativa de safra recorde em 2015
A segunda estimativa de 2015 para a safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas prevê recorde na produção, com um total de 199,6 milhões de toneladas,...
10 de março de 2015